Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024
Home Política Inicia hoje contagem dos três meses da intervenção militar da SADC em Cabo Delgado

Inicia hoje contagem dos três meses da intervenção militar da SADC em Cabo Delgado

by admin
0 comment

Ainda não se sabe quando e a que horas iniciará a intervenção militar da SADC (Comunidade de Desenvolvimento da África Austral) no combate aos ataques terroristas, que semeiam terror, luto e dor em alguns distritos da província de Cabo Delgado. Sabe-se apenas que, a qualquer momento, as forças da SADC irão palmilhar os cantos da província de Cabo Delgado.

Esta quinta-feira, 15 de Julho, inicia a contagem dos três meses em que a missão irá durar no país, de acordo com o documento endereçado pelo Secretariado da SADC ao Secretário-Geral das Nações Unidas.

Segundo a publicação zimbabueana “ZIM NEWS”, as forças da SADC deviam ter iniciado as suas operações na passada quarta-feira, mas “alguns empecilhos de última hora” viram Moçambique atrasar a assinatura do acordo de “Status das Forças” com o bloco regional.

No total, 3.000 homens provenientes de 15 países (dos 16 que compõem a organização, incluindo Moçambique) são esperados na província de Cabo Delgado para juntarem-se às Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas e à tropa ruandesa (constituída por 880 militares e 120 polícias), que desembarcou na última sexta-feira.

A intervenção militar da SADC, lembre-se, foi aprovada no passado dia 23 de Junho, na Cimeira Extraordinária dos Chefes de Estado e do Governo da região, que teve lugar em Maputo.

Denominada “Força em Estado de Alerta”, a missão tem como objectivo apoiar Moçambique no combate aos actos de terrorismo e à violência extremista. A mesma está orçada em 12 milhões de USD.

De acordo com o Secretariado da SADC, a missão da “Força em Estado de Alerta” terá uma duração de três meses, porém, o prazo de duração da missão poderá ser prorrogado em função da evolução da situação no terreno.

Segundo a proposta da Missão Técnica da SADC, a Força do bloco regional será constituída por 1.860 militares de três batalhões de infantaria ligeira, 140 de duas unidades de forças especiais e 120 de uma equipa de comunicações e 100 homens para as unidades de engenharia militar e logística cada.

Para além dos 3.000 homens, refira-se, a Missão Técnica da SADC propôs também o envio, para Moçambique, de dois navios de patrulha, um submarino, um avião de vigilância marítima, seis helicópteros, dois drones e quatro aviões de transporte. No entanto, ainda não está claro se a missão será chefiada pela África do Sul ou pelo Zimbabwe.

Falando na última terça-feira, na província de Sofala, na visita que efectuou a uma unidade das FDS em Nhamatanda, o Presidente da República disse que as missões da SADC e do Ruanda chegam, neste momento, porque “tinha de ser agora”, pois, “tínhamos de nos organizar para recebe-los e os outros tinham de se organizar para vir”.

“O terrorismo é um problema global. Se há uma coisa para a qual quase todos os países se unem para combater é o terrorismo”, reafirmou o Chefe de Estado, sublinhando que o interesse do Ruanda e da SADC é haver “paz no mundo e desenvolvimento na região”.

Sublinhe-se que desde Outubro de 2017 que a província de Cabo Delgado está a braços com os ataques terroristas, que já mataram mais de três mil pessoas e provocaram mais de 900 mil deslocados. Os distritos de Mocímboa da Praia, Palma, Muidumbe, Macomia e Quissanga são os mais afectados, sendo que a violência extrema atingiu também os distritos do Ibo, Nangade, Meluco e Mueda.

Fonte: Carta mz

You may also like

Leave a Comment

Para nós, a comunicação é dinâmica e assume diversas formas, por isso oferecemos um vasto leque de soluções que permitem obter a percepção sobre a marca e definir as melhores mensagens e formatos para impactar no mercado.

Blog

Press Releases

Todos os Direitos Reservados

Are you sure want to unlock this post?
Unlock left : 0
Are you sure want to cancel subscription?
-
00:00
00:00
Update Required Flash plugin
-
00:00
00:00